sexta-feira, 4 de junho de 2010

R.I.P.

Deixo aqui a minha homenagem a João Aguiar (28 de Outubro de 1943 - 3 de Junho de 2010), escritor, autor de um dos livros mais deliciosos da literatura portuguesa, O navegador solitário, de 1996.
 "O único verdadeiro pecado do mundo terreno é a estupidez. Não podes cometer esse pecado, Solitão. Não hei-de permitir uma traição tão grande e tão feia.
Estás à beira da vitória.
Ter uma vida física liberta de cuidados. Podes saborear o melhor. A beleza, o conforto, os objectos de arte, as mulheres, a comida, os vinhos, ah, Solitão, não podes fazer o que estão a pensar fazer, nunca o permitirei, hei-de quebrar essa decisão e alimentar esse medo, (...)."

3 comentários:

Unknown disse...

O primeiro capítulo d'"O navegador solitário" é pura e simplesmente o texto literário mais cómico que já li.

Esta noite vou beber um copo em sua memória!

JFDourado disse...

Concordo com o comentário anterior, acho que nunca ri tanto sozinho como quando li essa primeira parte de "O navegador solitário". Ainda ontem voltei a pegar no livro só para ler esse bocadinho. E as gargalhadas voltaram a ser muitas! :)

Sol disse...

E eu concordo com os 2.